Mascotes
Muitos clubes de futebol adotaram bichinhos como mascotes. O periquito representava o Palmeiras, até ser trocado pelo porco. Temos ainda o leão, da Portuguesa e do Sport Recife, e o tigre, símbolo do Criciúma.

Galo e raposa
Em 1945, quando o chargista Mangabeira trabalhava no jornal Folha de Minas, o editor lhe encomendou alguns símbolos para os times mineiros. Mangabeira decidiu desenhar bichos. Para ele, o Atlético Mineiro lembrava um galo de briga. A mascote do Cruzeiro foi inspirada na figura de um ex-presidente do clube, "astuto como uma raposa". Mangabeira criou também o canário da Seleção Brasileira.
 
Peixe
Passou a ser o símbolo do Santos a partir do primeiro jogo do profissional do futebol brasileiro, em 1933, contra o São Paulo. Antes da partida, os jogadores santistas foram chamados de "peixeiros" pelos são-paulinos.
 
Porco
Durante o Campeonato Paulista de 1969, o Corinthians pediu permissão à Federação Paulista de Futebol para contratar 2 jogadores que substituíssem 2 que haviam falecido. Todos os clubes concordaram, menos o Palmeiras. Na partida seguinte, a torcida corintiana protestou contra a "sujeira" palmeirense soltando um porco no Estádio do Morumbi antes do jogo. Enquanto o suíno corria, os corintianos gritavam "Dá-lhe, porco!", provocando os adversários. Em 1986, a torcida palmeirense resolveu adotar a nova mascote e o coro.
 
Urubu
Os torcedores do Flamengo não gostavam de ser chamados de urubus. Mesmo assim, na década de 1960, o cartunista Henfil passou a desenhar o urubu como símbolo do clube nas charges do Jornal dos Sports. A torcida reagiu com certa desconfiança, mas acabou se rendendo numa tarde de Flamengo x Botafogo, em 1º de junho de 1969, quando um torcedor soltou uma dessas aves no gramado do Maracanã. O urubu tinha a bandeira do Flamengo amarrada num dos pés e o time venceu por 2 x 1.
 
 

Texto extraído do site GUIA DE CURIOSIDADES